Mistura de sentimentos, mistura de sensações.

24
Dez 08

Para mim é sempre bom recordar.

É importante recordar o bom e o mau... O bom devemos recordar para nos sentirmos felizes e para repetir mais tarde se for isso que desejarmos e o mau devemos de recordar para não voltarmos a repetir as experiências.

 

Já passei por momentos muito bons, com as melhores pessoas que conheço e senti-me muito feliz (estou a falar dos amigos verdadeiros!, não estou a falar dos amigos de ocasião, nem dos amigos da noite, nem dos simples conhecidos) e estou sempre disposta a recordá-los e cada vez que faço isso sinto-me bem e sorrio para tudo com a cara da típica parola.

Por outro lado já tive momentos que não quero mesmo repetir, experiências que me pareciam sorridentes mas que mais tarde se revelaram verdadeiros trastes e coisas que nunca deviam ter acontecido. Arrependo-me muito de algumas coisas. Não as voltarei a repetir, pois se as recordo com amargura e com uma espécie de raiva é sinal que não gosto do que se passou por isso nunca mais as hei-de repetir.

 

Há muitas coisas que me fazem recordar bons momentos... Músicas, pessoas, visões, déjà vu's, frases, dizeres...

 

Às vezes penso se tomo as decisões certas na minha vida... Normalmente fico na dúvida, pois nunca tive juízo e faço sempre tudo com muita descontracção e muitas vezes sem pensar nas consequências nem nos riscos. Umas vezes arrependo-me outras não, por isso vou vivendo assim arrependendo-me de alguns passos, recuando, andando em frente, ponderando pouco e agindo de cabeça quente, sim, pois é isso que me faz viver e sentir com força para enfrentar sempre os desafios com pensamento de vitória. Para mim não é exitando, não é ponderando e não agindo de forma espontânea que somos prespicázes, prespicáz é aquele que age sem pensar e acerta naquilo que faz. Não me digo puramente prespicáz, pois há coisas em que não acerto, já errei a minha vida, erros infantis (ou não) provavelmente, mas recordando-os e não os repetindo vou aprendendo.

 

Para isto é que servem as memórias.

 

publicado por Filipa Sales às 02:59
sinto-me: Espontânea
música: Morning Glory - Oasis

17
Dez 08

Não sei se acredito ou não no amor, provavelmente não, não sei, não sei se tenho sensibilidade para isso... Para mim é perciso ter muito para dar para se acreditar no verdadeiro amor, no amor sério, no amor que nos apaixona perdidamente e que nos deixa presos, talvez um dia venha a acreditar, quando o sentir verdadeiramente na pele; neste momento apenas sei o que é gostar superficialmente de alguém, achar uma pessoa o ideal, mesmo sem a conhecer verdadeiramente por dentro e vendo apenas o que tem exteriormente, penso que apenas vendo uma pessoa e sem falar com ela podemos gostar dela, não podemos dizer que estamos apaixonados (é possivel apaixonarmo-nos a sério por uma pessoa sem falarmos com ela, apenas sabendo como ela é apenas por aquilo que os outros nos dizem dela? Penso que não), a paixão é mais do que isso, para estarmos verdadeiramente apaixonados temos de nos relacionar com a pessoa pela qual contraímos esse sentimentos de paixão.

Apesar de tudo isto penso que é possível uma pessoa ser especial para nós mesmo não a conhecendo e apenas ouvindo o que dizem dela e pelo seu aspecto exterior, não é necessário que se seja muito bonito ou com a forma física ideal para se ser belo, a beleza é um conceito relativo, nunca ouviram dizer? Isto é completamente verdade, uma pessoa pode ser muito bonita para nós e para os outros pode ser horrível, ou vice-versa, não é por os nosso amigos dizerem que o nosso namorado é feio que vamos acabar com ele (já vi casos destes muitas vezes, pessoas que verdadeiramente não sabem o que é gostar de alguém, muito menos sabem o que é o amor), acham isto normal? Sinceramente eu não acho! Já mudei de opinião quanto à beleza de certas pessoas, cheguei a achar um rapaz lindo e inclusive me apaixonei por ele, e hoje acho-o horrivel, o pior mesmo, e não é por mágoa ou qualquer tipo de coisa, sou amiga dele na mesma e damo-nos bem, mas pronto, eu ver beleza nele foi algum tipo de ilusão (provavelmente relacionada com a idade...), hoje em dia penso que ganhei maturidade, apesar de também ter confusões e bichinhos na cabeça, penso que sou uma pessoa mais esclarecida.

Sou capaz de sentir atracção por alguém e achar essa pessoa especial, mesmo sem ser um "Deus Grego", a beleza não é tudo e uma pessoa pode ser muito magra e ser linda na mesma ou muito gorda (que não é definitivamente o caso do rapaz pelo qual contraio um sentimento que nem sei bem qual é) e tambem pode ser bela. "A beleza está nos olhos de quem a vê", não é verdade?

 

Quando gostamos de alguém e estamos com essa pessoa sentimo-nos protegidos, essa pessoa faz-nos sentir especiais, algo únicos, sentimos que temos o Mundo a nossos pés e que apenas nós contamos (o próprio e o outro de quem gostamos), o Mundo passa a girar à volta de um par que se torna num só. É bonito. O amor (ou qualquer sentimento parecido) faz-nos sentir bem.

 

"Because maybe
You're gonna be the one that saves me
And after all
You're my wonderwall"

Oasis - Wonderwall

 

Contudo, e depois de tudo o que disse, ainda tenho dúvidas se acredito realmente no amor... Acho que necessito de um teste, de algo que prove a mim mesma que o amor existe e que é um sentimento único (ou não, mas tenho esperança que ele exista); que não é tudo uma ilusão. Não é estranho escrever sobre uma coisa que não temos a certeza se existe?

 

publicado por Filipa Sales às 14:57
sinto-me: Confusa
música: Wonderwall - Oasis

14
Dez 08

Depois de uma semana muito atribulada e preenchida sem escrever decidi escrever sobre este tema.

 

Não é tão familiar a todos nós?

Penso que sim, tão mas tão familiar que está sempre presente, está dentro de nós. Este sentimento é tão familiar que está sempre a revelar-se, aparece sempre, mesmo quando não queremos lá esta ele!, pronto a que digamos ou façamos qualquer coisa que... sinceramente nem sei descrever, mas algo que dê a entender que estamos atraídos por alguém.

Muitas vezes está relacionado com o amor... Uma coisa pode começar por uma simples atracção e depois acaba num grande amor (bem... isto soa mesmo mal dito por mim).

Ui, tantas e tantas vezes me senti atraída por alguém, parece que é obrigatório viver em paralelo com a atracção... Será que não podemos passar sem ela? Sinceramente acho que não!, é impossível uma rapariga passar perto de um rapaz super atraente e não reparar nele, o mesmo serve para o caso dos rapazes.

Às vezes acontece quando menos esperamos... mesmo sem conhecer uma pessoa podemos sertir a atracção por ela ou até podemos sentir isto por várias pessoas ao mesmo tempo... isto soa mal, mas é verdade, a mais pura das verdades.

Às vezes as atracções não são correspondidas, tal como os amores, mas nestes casos com muito menos gravidade. É muito menos grave não ser correspondido enquanto apenas se trata de uma atracção do que quando amamos alguém, aí ficamos com o coração partido e destroçados por dentro, por fora, inspirando tristeza e expirando lágrimas...

publicado por Filipa Sales às 21:39
sinto-me: Uma boa analista da realidade.
música: I Miss You - Blink 182

06
Dez 08

Há tanta coisa a dizer, não há? Bem, uma infinidade... Realmente podia pôr-me aqui a falar, a falar, a falar... Nunca mais ia sair daqui...

 

Bem, vou falar-vos de algo que aconteceu comigo...

Foi este Verão...

Este Verão começou como todos os anos, acabam as aulas e todos os dias haviam saidas, praia, divertimentos, etc. Mas depois houve algo diferente... Os meus tios levaram-me de férias com eles, foi hilariante, eu, os meus dois primos, as primas dos meus primos (realmente são como minhas primas, se não forem como minhas irmãs!), era todos os dias brincadeira, iamos para o Rio da Aldeia E, mas estavamos a viver na Aldeia C, mais propriamente numa casa chamada V e numa casa chamada O, divertiamo-nos imenso, todos os dias eu, o meu primo L93 e a minha prima S98 saíamos da casa O e iamos acordas as nossas primas, a prima T92, a R93 e a C95, que estavam na casa V.

 

No ínicio do Verão começamos por fazer um plano bastante engenhoso para arruinar o rapaz D15, bem, eu não me devia ter envolvido emocionalmente com o rapaz D15, foi um erro, supostamente devia ter brincado com os sentimentos dele e acabei por brincar com os meus... Estranho não? Acabei por cair no nosso próprio plano.

 

Estive lá na Aldeia C e na Aldeia E 10 dias (penso eu), mas tive de voltar para a Cidade A... Fiquei tristíssima, pois tinha deixado as minhas meninas lá, e ainda por cima enquando eu estava na Cidade A chegaram mais duas meninas à Aldeia C, a R92 e a D92... Felizmente consegui voltar à Aldeia E, fui para casa de uns tios que foram empecáveis comigo enquanto estive intalada lá, apesar do trabalho que dei e das chatisses foram sempre queridos.

 

Dia 15 de Agosto, quando cheguei lá para o "Verão 2008 - parte 2" senti-me muito bem, vesti uma mini-saia cor-de-rosa, um top preto e as minhas Havaiannas azuis claras e disse à minha tia: "Tia vou ter com elas, posso?", a minha tia respondeu-me: "Podes, se ficares lá a dormir avisa!". Dei uma enorme volta para ninguém perceber que ia de carro para a Aldeia C (pois desta vez fiquei hopedada na Aldeia E, bem perto do Rio) e fui ter com o PJO e com a T92 que me aguardavam no carrinho velho ao pé do campo de futebol, aí aquele carro... amava andar naquele carro, era velho, mas era sempre uma aventura cada vez que nele entrava. Entrei no carro, dei um beijinho à T92 e ao PJO, soube-me tão bem vê-los, foi o reencontro mais aguardado, o PJO pôs o pé no acelarador e lá fomos nós! A viagem foi curta, mas pelo caminho o meu N80 saíu da janela do carro para fora, coitado, ficou todo riscado, é o que dá... MALUCOS AO VOLANTE!, chegamos à casa V, quando lá cheguei estavam lá montes de pessoas, R92, R93, C95, rapaz CM, rapaz S, D92, rapaz M (acho que não estava mais ninguém...), dei um beijinho e um abraço a todos, as saudades já eram muitas, como sempre a C95 atirou-se para cima de mim e deu-me um monte de beijos, ela é super calorosa (eheheh).

Bem... com isto, novo plano, eu devia de comer o rapaz CM para lixar o D15, e comi, mas como não sentia absolutamente nada por ele fiquei triste com isso e terminou logo o "caso".

Nessa noite houve festa lá na Aldeia C, foi tão giro, fumei tanto nessa noite, não só na festa como na discoteca em que fui a seguir acompanhada do rapaz CM, do rapaz S, da D92, da R92 e da C95, diverti-me imenso, era o dia de chegada e já estava fazer montes de asneiras, eu sou assim, não consigo ser exemplar (a rebeldia está-me no sangue LOL). Nessa noite o rapaz D15 também estava na festa e na discoteca. Chegámos a casa lá pas 5h da manhã, se não foi mais, foi lindo, discoteca, praia a seguir, o melhor... As férias são isto, não é?

 

16 de Agosto acordei acompanhada das minhas meninas em casa. À tarde fomos à Aldeia E, ao Rio, claro, as tardes eram sempre animadas, sempre muita maliquice e tabaco à mistura, sim, porque nestas férias o que se queria era álcool, tabaco e droga (isto é feio de se dizer, mas é realidade...).

Nessa noite houve novamente discoteca, mas desta vez fomos todos (eu, T92, R93, C95, R92, D92, rapaz CM, rapaz M, rapaz S, PJO, o irmão do rapaz S - o Sfat e outros) foi tão giro, nesta noite é que foi divertimento à grande, estavamos todas gatonas. Houve confusão na discoteca entre o rapaz S, o rapaz RC que era da Aldeia MdL e o D15, o D15 acabou por levar um murro do rapaz S, não gostei desta confusão, mas passou... RC começa-me a mandar sms's naquela do engate, eu não cedo, mas lá que ele era (e é) bom, é verdade. Chegada a casa 6:30h da manhã, tal como na noite anterior, no fim da discoteca houve praia, adorei esta noite, ainda melhor que a primeira, pois estavamos todas e mostramos como as seis somos unidas e invencíveis.

 

Os dias foram passando... Tivemos uma semana sem a D92 e a R92, pois elas tiveram de regressar à Cidade B. Felizmente voltaram no fim-de-semada seguinte.

 

Festa de S. A(...), grande noite de 6ª-feira, foi pena é ter acabado cedo e a porrada que houve entre PJO e CFO, estes rapaz só sabem arranjar confusões. (CFO é namorado da rapariga C que é prima da rival da T92, a rapariga TE.)

 

Na noite seguinte fiquei a dormir em casa da D92, muito melhor que ter ido para a 2ª noite de festa de S. A(...), sem dúvida, apanhamos uma moca as três (eu, R92 e D92) que nem digo nada! Foi brutal! E não é que no dia seguinte já estavamos a apanhar outra do Rio do R(...)? Mas desta vez a T92 tambem se juntou à festa.

 

Foram lindos estes dias...

E pronto... Os dias iam-se passando, entre idas ao Rio da Aldeia E e fugas para a casa V, muito tabaco, muita maluquice e muitas voltas na mota do Sfat e na moda do rapaz M... Até que, quando estava prestes a abandonar a Aldeia E para voltar para a Cidade A cedi ao rapaz RC e comi!, soube-me tao bem, foi só mais um, mas não me esqueci, quem se esquece de um homem daqueles? Ninguém.

 

3 de Setembro... Depois de muita farra estava na altura das férias acabarem... Com muita pena minha voltei, e hoje estou aqui. Depois do nosso regresso deu para perceber que nem toda a gente é o que parece. Infelizmente enganaram-nos, mas nunca mais nos enganam, nunca, olhos abertos.

 

O fim do Verão 2008 foi passado na Cidade A e na Cidade L.

 

Posso dizer, no fim de tudo e relembrando tudo digo que foi o melhor Verão da minha vida.

 

Amei, sem dúvida que amei. Tenho saudades.

 

publicado por Filipa Sales às 22:28
sinto-me: Emocionada
música: Keep On Rising - Ian Carey feat. Michelle Sellers

04
Dez 08

Quando te dizem "Amo-te para sempre" tu acreditas? Bem, eu não... Acredito no amor, mas não acredito que alguem seja capaz de amar outra pessoa para sempre... É impossível, as pessoas mudam, as suas personalidades mudam, já para não falar que ao envelhecerem ficam mais gordas, mais feias, mais velhas, sei lá... E, por este motivo é como se se fossem tornando pessoas diferentes ao longo dos tempos, resumindo, não estamos a amar o mesmo ser; estamos a amar diferentes personalidades, diferentes corpos, num só, ao longo de uma vida... Mas alguém aguenta uma vida inteira com uma pessoa amando-a "como na primeira vez"? É uma pergunta pretinente... Penso que não... Chega-se a uma fase e passamos do amor, do fogo, da paixão e da actracção física para o hábito, respeito (ou não), amizade (se existir), sei lá... Deixamos de sentir que amamos e somos amados. Isto é terrível, tornamo-nos mais escuros, mais vazios, deixa de existir o brilho a cada manhã, o Sol parece que não brilha, os dias deixam de ser uma aventura. Há aventura e risco sem amor? Desculpem, mas não há; o amor é o cordão de tudo, e não é necessário ser aquele amor por uma pessoa do sexo oposto (ou do mesmo sexo, depende), pode ser por um amigo, o amor a uma aventura, o amor ao gozo e ao divertimento.

 

Ai, o amor... Acredito que existe, mas às vezes penso se não será tudo uma ilusão, já que há tanta gente a viver nela, porque é que o amor não pode ser parte dessa ilusão?

Provas de amor? Como se pode provar um sentimento? Não podem haver provas físicas que se ama... Uma pessoa pode amar outra sem a tocar, sem a beijar, basta o que tá dentro (do coração?), e penso que não podemos provar um sentimento; não é com beijos ou com noites quentes que se prova alguma coisa; beijamos muitas vezes quem não amamos, para passar o tempo, para mostrar superioridade, para magoar outrem...

 

Não se iludam, aprendam, nada é para sempre, o amor não é para sempre, não acreditem no "amo-te para sempre", mentiras (sem intenção por diversas vezes, mas são mentiras, não deixam de o ser).

 

publicado por Filipa Sales às 14:58
sinto-me: Inteligente
música: Summer Jam - The Underdog Project

Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
18
19
20

22
23
25
26
27

28
29
30


arquivos
2008

mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO